CHULA

Como «forma musical, instrumental, vocal e coreográfica», banalizada por inúmeros agrupamentos que talvez abusivamente a usam para designar algumas das suas músicas e danças, a transcrição das duas chulas, de Arnoia e Tabuado por apresentarem um instrumental completo (sem recorrer a harmónicas e concertinas) revela uma interessante textura musical, pela complementaridade dos vários instrumentos. Se a alternância dos acordes de tónica e dominante, que estrutura a secção de acompanhamento aos instrumentos solistas e voz, delimita as possibilidades harmónicas, deixa por outro lado campo livre à rabeca, violão assurdinado e cantores que com grande virtuosidade tocam os interlúdios instrumentais e se adaptam às variações introduzidas por qualquer deles, mesmo quando acontece um engano.

Transcrevemos na página dedicada à viola amarantina a 1.ª viola de Arnoia e a viola de Tabuado.

Optámos por transcrever apenas algumas das variações dos instrumentos solistas, não anotando ainda as diferenças que o canto apresenta, quando procura para cada verso ou frase as acentuações e figuração rítmica mais adequadas às palavras que sempre se destacam com nitidez e correcção. A secção de acompanhamento, pelo seu carácter repetitivo, apenas figura no início.

Em Arnoia, a «Festada» era constituída por Francisco da Mata, rabeca; Sepriano Coelho, violão assurdinado; António da Cunha, 1ª viola; Francisco Gonçalves, 2ª viola; Francisco Coelho, violão solto; António Coelho, ferrinhos; Francisco Teixeira, bombo; cantador, Sepriano.

Em Marco de Canavezes, por Fernando da Cunha «major», rabeca; Álvaro da Silva Coelho, violão assurdinado: Alexandre Napoleão Moreira, viola; Joaquim Moreira, ferrinhos; Manuel de Oliveira, bombo; cantadeira, Maria da Glória Vieira.

"Festada" de Arnoia

VAREIRA (0701evo139.mp3 / 1’45’’)

Colectores: E.V.Oliveira e Benjamim Pereira

Arnoia, Celorico de Basto (1960/63)

Transcrição: Domingos Morais (1982)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CHULA (0702evo145.mp3 / 1’58’’)

Colectores: E.V.Oliveira e Benjamim Pereira

Tabuado, Marco de Canavezes (1960/63)

Transcrição: Domingos Morais (1982)

 

 

 

 

 

 

 

Eu já bolto a cantar

Junto da graça de Deus

Que nos benha auxiliar

Ai um biba aos grabadores

Um biba aos grabadores

Que a fala me vão cortar

Nossa Senhora de Fátima

Desceu do alto pombal

Que desceu do Céu à Terra

Dar a paz a Portugal

Biba o Senhor D. Ernesto

Mais a sua aparelhada

Quando o cantador cansou

Já nos ficou na jornada

Bai um biba ao geral

Mais à humana geração

Biba o pobre e biba o rico

Biba o grande e o pequeno

Biba o nobo e biba o velho

Bibam quantos aqui estão

Ó Pobo de Tabuado

Ó pobo abençoado

Já que todos me dão tenção

A todos bós agradeço

Bossa boa deboção

Agora bai terminar

O grabador de cantar

Que já se encontra enfadado

(…)

Ai um biba ao grabador

Um biba ao grabador

Biba mais quem tem no livro

Biba a sua paciência

E biba quem no ensina (bis)

(…)

Senhores, muito boa noite

São horas de m’ir embora

Mais de eu arrecolher

Bejo já bir a polícia

E a todos nos vai prender

E assoai à multidão

E toda a nossa aflição

Do perigo, oh! de os prender

(…)